Nesta quinta, metalúrgicos fazem paralisação nacional contra corte de direitos e pela retomada da economia

Mais de dois milhões de trabalhadores em todo o país participarão do protesto unificado da categoria. Na Grande Curitiba, as ações acontecerão nas principais empresas, a partir das 6h, com a mobilização efetiva de mais de 30 mil metalúrgicos da capital e região metropolitana

Nesta quinta-feira, 29 de setembro, mais de dois milhões de metalúrgicos de todo o País cruzarão os braços para participar da paralisação nacional contra o corte de direitos e para exigir do governo ações efetivas para o reaquecimento da economia.

A mobilização faz parte da campanha nacional “Cortar Direitos Não Gera Emprego! Retomada da Economia Já!”. O “Dia de Unidade de Ação Metalúrgica em Defesa dos Direitos e da Aposentadoria”, é organizado pelas Confederações, Federações e mais de  500 Sindicatos de metalúrgicos do Brasil, ligados à Força Sindical, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas).

Continue lendo

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Centrais Sindicais do Paraná repudiam declarações de preconceito e desrespeito de rafael greca contra pobres

As centrais sindicais Central dos Trabalhadores e Trabalhadores Brasileiros (CTB), Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical do Paraná e União Geral dos Trabalhadores (UGT) vêm a público repudiar a declaração desrespeitosa e infeliz dada pelo candidato a prefeito em Curitiba Rafael Greca, na última quinta-feira (23), em sabatina na PUC. Ao afirmar “eu nunca cuidei dos pobres, eu não sou São Francisco de Assis, até porque a primeira vez que tentei carregar um pobre, dentro do meu carro, eu vomitei por causa do cheiro”, o candidato promove um desserviço ao debate público e estimula o preconceito e o acirramento da divisão política pela qual passa o Brasil, divisão essa que tem ajudado a levar a economia à derrocada, custando muitos empregos, reduzindo a renda e ampliando o número de pobres.

Não é com afirmações preconceituosas e desrespeitosas que vamos construir um Brasil unido em torno de um necessário e urgente entendimento nacional. Os 2,5 milhões de trabalhadores e trabalhadoras que representamos no Estado do Paraná exigem respeito, políticas sérias e um imediato pedido de retratação por parte do candidato. Queremos propostas concretas voltadas à retomada da economia e à geração de empregos, e não fanfarras irresponsáveis e zombarias infelizes feitas em cima do agravamento da crise econômica e do número de pobres em nosso País.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Campanha nacional “Cortar Direitos Não Gera Emprego! Retomada da Economia Já” – Metalúrgicos da Grande Curitiba se mobilizam para ato no dia 29 contra corte de direitos trabalhistas e pela retomada econômica

Vinte mil trabalhadores de dez fábricas participaram hoje (22) de atos liderados pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba em preparação para paralisação geral nacional da categoria agendada para 29 de setembro

Hoje, pela manhã (22), cerca de 20 mil metalúrgicos da Grande Curitiba participaram de mobilizações em preparação para o “Dia Nacional de Paralisações e Lutas pelos Direitos”, quando, no próximo dia 29 de setembro, mais de 2 milhões de metalúrgicos de todo o Brasil cruzarão os braços em protesto contra a retirada de direitos e para exigir do governo ações de retomada econômica. Os atos de hoje foram liderados pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) e mobilizaram os trabalhadores da Renault, Volkswagen, Volvo, Aker Solutions, Bosch, CNH, WHB, Furukawa, AAM do Brasil e Brafer. A iniciativa também faz parte das manifestações que as centrais sindicais convocaram nacionalmente nessa quinta-feira, em todo o País, pela retomada da economia.
Continue lendo

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Mais de 20 mil metalúrgicos da Grande Curitiba se mobilizam amanhã (22) para a paralisação geral na próxima semana contra retirada de direitos trabalhistas

Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba vai liderar assembleias em 10 empresas para preparar metalúrgicos para ato unificado das centrais em todo o país

Nesta quinta (22), nos períodos da manhã e tarde o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) vai liderar assembleias prolongadas nas 10 maiores empresas da categoria para mobilizar os trabalhadores para a paralisação geral no dia 29 de setembro.

O objetivo do ato unificado é protestar contra as ameaças aos direitos trabalhistas sinalizadas pelo Governo e pelo patronal que visam aumentar a jornada de trabalho, congelar salários e acabar com benefícios.

Continue lendo

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Cortar Direitos NÃO Gera Emprego – Retomada da Economia Já!

A campanha da Força e da CNTM, “Cortar Direitos NÃO Gera Emprego! Retomada da Economia Já!”, corre o país para alertar a população dos riscos que os ataques aos direitos trabalhistas e sociais representam ao desenvolvimento do Brasil.

Além de material de divulgação instalado em grandes capitais do país, contou no dia 5 de setembro com a paralisação de mais de 15 ml metalúrgicos da Grande Curitiba para exigir do governo medidas concretas para a retomada da economia sem atingir os direitos da população. A luta dos metalúrgicos de Curitiba repercutiu na imprensa e no movimento sindical, tomando conta de todo o Brasil.

Já no dia 11 de setembro, em São Paulo, as Centrais Sindicais se reuniram e definiram unidade pela paralisação geral no dia 29 de setembro.  Também em São Paulo, em reunião na CNTM, ficou acertada a união de mais de 500 sindicatos de metalúrgicos de todo o Brasil para puxar a luta nas fábricas.

É hora de luta! É hora de resistência! Paralisação geral no dia 29 para deixar claro que não vamos aceitar retirada e corte de direitos.

Porquê

Tem sido recorrente no noticiário a divulgação de teses canalhas das entidades patronais alegando que o que atrapalha o desenvolvimento da economia e a geração de empregos no país são os direitos trabalhistas.

O que pensamos

Nós, do movimento sindical, entendemos que esta é uma leitura  deturpada da realidade  e que não tem nada a ver com a crise econômica pela qual o Brasil passa.

Para nós, é claro que o que tem prejudicado o fim da crise é a política econômica conservadora que tem sido defendida  por setores do sistema financeiro e patronal.

Entre essas medidas estão: a manutenção elevada da taxa de juros, que trava os investimentos e inibe o setor produtivo; a limitação do acesso ao crédito e a diminuição da renda da população, que precariza o consumo e, por conseguinte, a produção e geração de empregos.

Ou seja, a culpa da crise não está nos direitos trabalhistas.

Vamos lembrar

A culpa da crise não está nos direitos trabalhistas. Basta lembrar o recente período de 2007 à 2014 quando a economia do país andou a pleno vapor, batendo recordes de produção e venda,  sem que um único direito do trabalhador interferisse neste ciclo. Ao contrário, os direitos e benefícios ajudaram a turbinar ainda mais a economia. É preciso ter memória.

O que acontecerá após a diminuição de direitos

Diminuir direitos, como pretende o patronal, não terá efeito nenhum sobre a economia e a geração de empregos. Pior, vai aprofundar mais a crise, pois vai estrangular ainda mais o trabalhador que já está com a faca no pescoço vendo sua renda ser espremida pela inflação e o famigerado ajuste fiscal que só penaliza os trabalhadores.

O que precisamos fazer

O que precisamos é fortalecer o mercado interno. Por isso, defendemos o inverso da política econômica conservadora. É preciso baixar os juros para destravar a vida da indústria e dar segurança para os investimentos;   facilitar o acesso ao crédito, fortalecer a renda e manter direitos para favorecer o consumo e a produção.

Essa foi a fórmula do ciclo de prosperidade que vivemos recentemente e é o que vai fortalecer os músculos  do nosso mercado consumidor favorecendo uma retomada econômica forte.

Objetivo da campanha “Retirar direitos não gera emprego! Retomada da economia já!”

O objetivo é formar uma frente de atuação para pressionar para que as medidas defendidas acima sejam tomadas o mais rápido possível.

“O que precisamos é que o novo governo pare de querer fazer o jogo do patronal e se empenhe no que  realmente é necessário: baixar os  juros e fortalecer a renda da população. É isso que vai acabar com a crise  e não a retirada de direitos.  Não vamos aceitar que a crise seja usada pelo patronal para acabar com os direitos trabalhistas. Chega de oportunismo! As cartas estão na mesa. Cortar direitos não gera emprego! Retomada da economia já!” (Sérgio Butka – Presidente da Força Paraná)

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário